Casa de Cultura Mario Quintana (Brasil)

casadeculturamarioquintana

Poeta, tradutor e jornalista, Mario de Miranda Quintana, ou simplesmente, Mario Quintana, foi homenageado em Porto Alegre com a criação da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ), em 25 de Setembro de 1990. O escritor nasceu na cidade de Alegrete, em 30 de Julho de 1906, mas foi morar em Porto Alegre, aos 20 anos, onde desenvolveu todo o seu talento para a escrita. Ele publicou mais de 20 livros, entre poemas e publicações para o público infantil, escreveu antologias e traduziu livros de Virgínia Woolf, Voltaire e Proust, entre outros. Mario Quintana morreu em 1994. Ele tinha 87 anos.

A Casa de Cultura Mario Quintana está localizada no antigo Hotel Majestic (projetado pelo arquiteto alemão Theodor Alexander Josef Wiederspahn e construído entre os anos de 1916 e 1933), no centro histórico de Porto Alegre. Foi neste hotel onde Mário Quintana morou de 1968 a 1980. Em 1982, o prédio do Hotel Majestic foi tombado como patrimônio histórico, sendo considerado um marco arquitetônico de Porto Alegre. No mesmo ano, o prédio foi comprado pelo Governo do Rio Grande do Sul. Em 1983, começou o processo para transformar o prédio na Casa de Cultura Mario Quintana, que está vinculada à Secretaria de Estado da Cultura. As obras começaram em 1987 se estendendo até 1990. O projeto arquitetônico foi assinado pelos arquitetos Flávio Kiefer e Joel Gorski.

Mario Quintana, ou o “poeta das coisas simples” como era chamado, esteve presente na inauguração oficial da casa, que leva o seu nome, em 1990. O belíssimo e charmoso prédio de cor rosada é um dos principais centros culturais de Porto Alegre. São 12 mil m² de área construída e sete andares dedicados à cultura. Quem visita a Casa de Cultura conhece o Quarto do Poeta, localizado na Ala Leste do segundo andar, encontrando no local móveis e objetos originais e pessoais do escritor, cuja reconstituição fiel foi efetuada pela sobrinha do poeta, Elena Quintana.

Os visitantes e frequentadores podem também aproveitar a intensa programação cultural oferecida no centro cultural, distribuída em três salas de cinema, dois teatros, nas galerias de arte e nas bibliotecas (Érico Veríssimo, especializada em Literatura e Artes e Lucília Minssen, especializada em livros infanto-juvenis). Há ainda sete espaços para exposições, salas de ensaio e oficinas. Não se pode deixar de mencionar o Acervo Elis Regina, um espaço planejado para os fãs da cantora gaúcha. O acervo foi reunido através de doações de fãs, colecionadores e críticos. Vale a pena a visita. Não deixe também de conhecer o Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul/MACRS, que ocupa as Galerias Sotero Cosme e Xico Stockinger, no 6º andar, da Casa de Cultura Mario Quintana.

Em 2014, a Casa de Cultura Mario Quintana passou por uma reforma externa, com o restauro das fachadas e do telhado. A previsão é que em 2016 seja realizada uma reforma interna no prédio que prevê, entre outras obras, a climatização nos teatros.

Horário de Funcionamento:
Segunda-feira
14h às 21h

Terça a sexta
9h às 21h

Sábados e domingos
12h às 21h

Obs: Estes são os horários de funcionamento da Casa de Cultura Mario Quintana. Os horários dos cinemas, dos teatros, das bibliotecas são diferentes, segundo a programação cultural de cada espaço.

Preço do Ingresso:
Gratuito

Como chegar:
De metrô:
A estação de metrô Mercado é a mais próxima do centro histórico. Siga pela Av. Mauá até a esquina da rua General João Manoel. Entre nessa rua e atravesse as ruas Siqueira Campos e Rua 7 de Setembro. A rua dos Andradas, onde fica Casa de Cultura Mario Quintana, é a próxima.

De ônibus:
A linha de ônibus C1 (Circular Centro) é a que passa mais próxima à Casa de Cultura Mario Quintana. Basta descer na Rua 7 de Setembro entre as ruas General João Manoel e General Bento Martins. Depois entre na General Bento Martins, vire a esquerda e já estará na rua dos Andradas.

Se você estiver próximo do Estádio Beira-Rio, pegue os ônibus que partem da Zona Sul em direção ao Centro Histórico: Cohab, Camaquã, Padre Réus, Serraria, Ponta Grossa, Juca Batista e Assunção.

Leia mais sobre o Brasil – Clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *