Fundação Casa de Jorge Amado (Brasil)

fundacaocasadejorgeamado

Um casarão azul de três andares no coração do Largo do Pelourinho (oficialmente Praça José de Alencar), na parte antiga de Salvador, é onde está localizada a Fundação Casa de Jorge Amado. E não poderia ser em outro lugar, pois o Pelourinho foi cenário importante em muitos dos livros do escritor baiano, já que por ali transitavam muitos personagens como Dona Flor, Teresa Batista e Pedro Arcanjo, entre outros.

A bela construção reúne um rico acervo que conta com documentos, fotografias, livros, adaptações de seus romances, obras de artes feitas pelos amigos para ilustrar os livros, prêmios recebidos por ele e objetos do escritor nascido a 10 de agosto de 1912, na fazenda Auricídia, no distrito de Ferradas, município de Itabuna, sul do Estado da Bahia. Entre as fotos expostas estão as que foram tiradas pela escritora Zélia Gattai, sua esposa e companheira por 56 anos. Desde a década de 1950, Zélia Gattai registrava através da fotografia todos os importantes momentos da vida de Jorge Amado. Fotos da intimidade, do dia a dia e do trabalho de um dos mais importantes escritores da literatura brasileira.

E pensar que toda essa importante documentação poderia ter ido parar em alguma universidade dos Estados Unidos… Sim, porque Jorge Amado quando completou 70 anos de idade e 50 anos de literatura começou a ser assediado por universidades norte-americanas que se propunham e se comprometiam a cuidar e a zelar pelo seu acervo. Instituições brasileiras também ofereceram propostas, mas ele pensava em aceitar a proposta de alguma universidade dos Estados Unidos. Mas, Zélia Gattai foi radicalmente contra a ideia dizendo que os documentos, fotos, diplomas, correspondências e tudo que se referia à obra de Jorge Amado deveria ficar no Brasil e, principalmente, na Bahia, para os baianos. Para nossa sorte, ele concordou com sua mulher e, em 1986, era criada a Fundação Casa de Jorge Amado. No ano seguinte, no dia 07 de março, a casa foi inaugurada. Aliás, Zélia Gattai dedicou três capítulos de seu livro “A Casa do Rio Vermelho – Memórias” para contar a história da criação da Fundação Casa de Jorge Amado. Felizmente, enquanto vivos Jorge Amado e Zélia Gattai puderam frequentar a instituição em sua homenagem e usufruir do espaço que guarda tão precioso acervo.

A casa está protegida por Exu, que no candomblé representa o orixá da comunicação. Ele é o guardião da casa, um pedido feito por Jorge Amado. A escultura de ferro de autoria de Tati Moreno foi doada pelo escritor James Amado. Ela está acima das escadas que dão acesso à casa e embaixo de uma placa do artista plástico argentino e brasileiro naturalizado Carybé que homenageia as três raças: índios, brancos e negros. A estátua de Exu foi colocada nas escadarias antes mesmo da inauguração da Fundação como um sinal de proteção. O ritual de instalação de Exu foi feito por Mãe Stela de Oxóssi, Yalorixá respeitada da Bahia. Uma cerimônia simples, discreta, assistida apenas por um grupo pequeno de pessoas. Em compensação, foi com uma grande festa a inauguração da Fundação Casa de Jorge Amado, com a presença de autoridades, artistas, escritores e amigos de Jorge e Zélia.

É preciso destacar que a Fundação Casa de Jorge Amado não é somente um lugar para recordar a obra de Jorge Amado, mas um espaço que buscar preservar, pesquisar e divulgar o acervo que ele nos deixou. Há também espaço para estudos e pesquisas sobre a vida e a obra do escritor e ainda a promoção de debates sobre temas abordados em livros de Jorge Amado como a discriminação racial e a inclusão social.

Horário de Funcionamento:
Segunda a sexta
10h às 18h

Sábado
10h às 16h

Preço do Ingresso (2015):
Inteira – R$ 3,00
Gratuito – menores de 5 anos

Obs1: Quarta-feira a entrada é gratuita para todos.

Obs2: Escolas e instituições educativas podem levar seus alunos para visitarem a Fundação Casa de Jorge Amado. A visita é guiada pela área de exposição permanente e dura entre 30 a 45 minutos. No máximo, são permitidos 30 alunos por vez. É necessário o agendamento da visita. Se for preciso cancelar a visita, a Fundação solicita que a mesma seja feita com 48 horas de antecedência.

Como chegar:
De elevador: O Elevador Lacerda liga a Cidade Baixa de Salvador à Cidade Alta e ao Pelourinho.

Do aeroporto:
Ao chegar ao aeroporto de Salvador, você pode pegar um ônibus comum (o Aeroporto-Praça da Sé), que liga o aeroporto à Praça da Sé, na entrada do Pelourinho. A viagem leva entre 1h30 a 2h.

De ônibus:
Linhas: 0209, 0212, 0301, 0303, 0311, 0323, 0346, 0402, 0418, 0424, 0515, 0519

Leia mais sobre o Brasil – Clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *